Regras para a solução criativa de problemas

por Jairo Siqueira · 3 comentários

em Criatividade, Técnicas e Ferramentas

Post image for Regras para a solução criativa de problemas

Mesmo que sejamos muito criativos e brilhantes em encontrar soluções, se estivermos trabalhando no problema errado, estamos perdendo tempo e dinheiro. Quando recebemos um problema para solucionar, é muito provável que ele venha definido de uma forma vaga e enganosa. Assim, o primeiro e o mais importante passo é obter uma definição correta e em que você possa trabalhar objetivamente. Ao definir mal um problema, você estará tomando um caminho que o afasta do problema real e de qualquer possibilidade de solução.

Depois de mais de 30 anos trabalhando em empresas de diversos setores, aprendi algumas regras que podem facilitar a identificação, compreensão, solução e verificação de problemas.

Espero que elas lhe sejam úteis.

Regra 1:
Não suponha que você compreende o problema.
  Este é um dos erros mais comuns na solução de problemas: pensar que você sabe o que está acontecendo sem olhar com profundidade ou sem obter informação bastante para entender a situação. Antes de começar a solucionar qualquer problema, dedique algum tempo para estar absolutamente certo de você entende o que está acontecendo. Lembre-se de que as aparências enganam. Muitas vezes um problema aparentemente técnico, tem suas raízes em falhas nas comunicações, desmotivação, liderança fraca, ou outras causas de natureza organizacional e gerencial.
   
Regra 2:
Não suponha que a pessoa que relata o problema também o compreende
  As pessoas descrevem os problemas de muitas formas diferentes, algumas chegam a serem bizarras. Muitas vezes elas apresentam percepções superficiais ou distorcidas que nada têm a ver com o problema real. Outras vezes elas apresentam informações desconexas, baseadas no que ouviram ou no que elas pensam que sabem.
   
Regra 3:
Não suponha que alguém mais entende o problema
  Se você necessita delegar o problema, ou se você está recebendo instruções de outras pessoas para solucionar o problema, não suponha que elas sabem do que estão falando. Ao delegar o problema, certifique-se de que suas instruções foram bem entendidas.
   
Regra 4:
Não suponha que você tem um único problema
  Às vezes, as coisas são mais complicadas do que parecem. Não é uma boa idéia supor que há um único problema a ser resolvido. Durante todo o processo de solução do problema, mantenha seus olhos abertos para identificar problemas adicionais.
   
Regra 5:
Não suponha que você tem mais de um problema
  Do mesmo modo, não suponha que há mais de um problema. Como conciliar as regras 4 e 5? Baseie suas conclusões somente no que existe, e não em suas suposições ou em suposições de terceiros.
   
Regra 6:
Não suponha que o problema seja igual a outro anterior
  Nenhum problema é igual a outro. Supor que o problema atual é semelhante a outro anterior pode levar a replicação de uma solução inadequada.
   
Regra 7:
Não suponha que se trata de um problema simples ou complexo
  Um problema é o que ele é, nada mais. Alguns são simples, outros complexos. Não assuma nada até concluir suas análises.
   
Regra 8:
Não confie no que está nos papéis
  Não tire conclusões com base somente em relatórios, memorandos e estatísticas. Saia da sua sala e vá ao campo para ver o problema real, converse com as pessoas que vivenciam e são afetadas pelo problema.
   
Regra 9:
Não suponha má intenção
  Se encontrar um erro humano, não assuma que se trata de uma ação mal intencionada. Geralmente, os erros humanos resultam de despreparo ou desinformação. Se for o caso, corrija os erros pela melhor informação e treinamento dos operários.
   
Regra 10:
Investigue as causas do problema
  Faça uma exaustiva investigação para identificar as verdadeiras causas do problema. Aja sobre as causas e não sobre os sintomas. Para isto, pergunte “por que” várias vezes até chegar à causa raiz do problema.
   
Regra 11:
Não aceite o argumento que sua idéia já foi tentada e não funcionou
  Muitas idéias boas são destruídas por implementação mal planejada ou por desistência na primeira dificuldade encontrada. Procure saber com detalhes como foi planejada e executada sua implementação. Se o Inferno está cheio de boas intenções, a estrada de acesso está pavimentada por boas ideias mal implementadas.
   
Livros Criatividade

Artigos relacionados:

Solução criativa de problemas Parte1

Solução criativa de problemas Parte 2

Solução criativa de problemas Parte 3

Solução criativa de problemas Parte 4

Problemas: a solução criativa começa pela definição correta

Para uma lista completa, consulte Índice de Artigos

Escreva seu comentário

{ 3 comentários… leia-os abaixo ou escreva o seu }

Baduel março 3, 2008 às 10:01

Parabéns por mais um excelente artigo…E você demorou um bocado mesmo até passava batido na minha lista de feeds….Que bom voltou ao normal!

Responder

Jairo Siqueira fevereiro 28, 2008 às 20:02

André,

Muito obrigado pela visita e pelo incentivo. Estou retomando a frequência de um artigo semanal. Aguarde as novidades.

Responder

André HP fevereiro 28, 2008 às 13:22

Cara, muito show o artigo… tava demorando pra vir algum feed seu… ^^

Responder

Artigo anterior:

Artigo seguinte: