Pensamento criativo – você está no controle

por Jairo Siqueira · 4 comentários

em Criatividade, Fábulas e Metáforas

Lobos do Bem e do Mal

Em volta da fogueira, o velho índio falou ao seu neto sobre a batalha que se passa dentro de cada pessoa. Ele disse, “Meu filho, a batalha se dá entre dois lobos dentro de todos nós. Um é o Mau. Ele é o medo, a raiva, a inveja, a tristeza, a inveja, a arrogância, a ganância, o ressentimento e a mentira. O outro é o Bem. Ele é a alegria, a paz, o amor, a esperança, a serenidade, a humildade, a cortesia, a empatia, a generosidade, a verdade e a fé”.

O garoto pensou um momento sobre o que tinha ouvido e perguntou ao avô, “Qual lobo vence?” O velho índio respondeu: “Aquele que você alimenta”.

Frequentemente somos colocados perante desafios que exigem uma escolha, especialmente entre manter-se amarrado a práticas e ideias obsoletas, ou olhar estes desafios como oportunidades de aprender, inovar e crescer.

A boa notícia é que temos uma escolha. Podemos alimentar o lobo do comodismo e do medo de errar, ou alimentar o lobo da coragem e da esperança. Podemos escolher em acreditar que somos criativos ou não.

Alimentando o lobo do Bem (e da Criatividade)

Algumas medidas simples, mas muito eficazes, que você pode tomar para alimentar e fortalecer sua criatividade:

  1. Acredite na sua criatividade – o primeiro passo é livrar da ideia “Eu não sou criativo”. Livre-se da crença de que a criatividade é um dom reservado para poucos privilegiados.  O talento criativo não é um clube exclusivo. Isto é como pensar que somente certas pessoas podem ser singulares. O que acontece é que algumas pessoas aceitam e expressam sua singularidade e outras não. Criatividade é como um raro presente que nos concedemos: a permissão para sermos nós mesmos. Nossa singularidade continua a ser o ponto principal. Frequentemente, esta atitude é suficiente para dar início a um fluxo de ideias.
  2. Exponha-se a novas experiências – seus sentidos capturam as informações básicas que sua mente usa para gerar novas associações. Quanto mais você se expõe a situações, pessoas e lugares diferentes, mais matéria prima você colhe para sua mente usar em novas conexões. Crie oportunidades para trazer diversidade e variedade à sua vida: viaje, leia livros e veja filmes diferentes dos que você costuma ler e ver, converse com pessoas com profissões, crenças, hábitos e estilos de vida diferentes do seu. Deixe sua curiosidade guia-lo por caminhos nunca antes percorridos. Em suma, saia da rotina e não tenha medo de conhecer ou fazer coisas diferentes.
  3. Dê as boas vindas a todas as ideias, mesmo as absurdas – você não deve se preocupar em somente ter grandes ideias. Afaste o censor que existe dentro de você e se concentre na quantidade; quanto mais, melhor. Algumas ideias que parecem absurdas podem ser as sementes de conceitos promissores. Deixe os julgamentos para mais tarde.
  4. Registre as ideias imediatamente – cultive o hábito de registrar todas as suas ideias. Use o que lhe for mais conveniente, como bloco de notas, gravador de voz, os recursos de seu celular, etc. Não confie na sua memória. Se não registrar suas ideias imediatamente, você se esquecerá da maioria delas.

Voltando ao início: qual lobo você está alimentando neste momento?

Livros Criatividade

Artigos relacionados:

Criatividade e intuição

Criatividade: dádiva de Deus ou habilidade aprendida?

Serendipity: a arte de reconhecer a aproveitar as descobertas acidentais

Pensamentos convergente e divergente: o yin-yang da criatividade

Nunca mais perca uma grande ideia

Para uma lista completa, consulte o Índice de artigos

Escreva seu comentário

{ 4 comentários… leia-os abaixo ou escreva o seu }

Guaracy Firmo junho 21, 2014 às 14:14

SUPONDO EXISTIR UM ‘LOBO GUARÁ’ , DO BEM, ESSE É O QUE EU TENHO ALIMENTADO. TODAVIA, ESTOU SOLITÁRIO EM MEU MUNDO DE ESCRITOR NÃO PUBLICADO – ANÔNIMO.

Responder

paulo Lima outubro 20, 2013 às 21:33

Olá Jairo
Muito bom seu site/blog. Criativo.
Vou bom reencontrá-lo.
De fato, todos temos dentro de nós esses dois lobos. Será que não podem aparecer outros?
Entre o que adjetiva tanto o bem como o mau é o ponto de inflexão. Onde termina um e começa o outro, nascem barreiras. Só vamos transpassá-las com o novo.
Algo corrói nossa criatividade, você nos mostra o caminho de passagem. Assim entendo sua fala.
A omissão, o silencio, a falta do uso da fala, da conversa é o grande inibidor para o caminho do bem. Precisamos desse caminhar.
Muito bom, entendi o “recado’. Vou repassar. Um texto para ser valorizado.
Já vou ler outro.

Responder

Davi junho 12, 2013 às 18:08

Jairo, as quatro medidas que você citou são excelentes e igualmente importantes. A terceira talvez seja a mais difícil de aplicar, porque é grande a tendência de fazer um julgamento rápido. Mas a vida acaba ensinando que coisas a princípio improváveis dão certo. Como disse Einstein, “se, a princípio, a ideia não é absurda, então não há esperança para ela”. Sucesso!

Responder

Icaro junho 12, 2013 às 14:22

Muito bom!

Responder

Artigo anterior:

Artigo seguinte: