Pensamento Lateral: Como se libertar dos bloqueios mentais

por Jairo Siqueira · 36 comentários

em Criatividade, Técnicas e Ferramentas

A solução de problemas pode ser comparada à procura de um tesouro pela escavação de um terreno. Se já existe um poço, tendemos a escavá-lo mais profundo. Quanto mais fundo o poço, mais difícil enxergar o que está acontecendo em outras partes do terreno. Se alguém se aproxima, o encorajamos a se juntar a nós no buraco.

cavando buraco

O efeito geral é chamado inércia psicológica. Quanto mais cavamos, mais comprometidos ficamos com o poço que escolhemos. Se não conseguimos resolver o problema, julgamos que nosso fracasso se deve ao fato de que não cavamos o suficiente.

Novos recursos são usados para acelerar a escavação:

  • Mais escavadores.
  • Melhores pás.
  • Treinamento dos escavadores.
  • Substituição dos escavadores, próprios ou terceirizados.
  • Mecanização e informatização do processo de escavação.

Abandonar o poço não é uma decisão fácil. A todo o momento, aparecem indícios de que o tesouro está próximo, decidimos cavar um pouco mais e vamos-nos enterrando. Ao invés de ser resolvido, o problema cresce e o buraco acaba por se tornar a sepultura de iniciativas bem intencionadas, mas mal direcionadas.

No terreno das idéias, cavar o mesmo poço mais fundo equivale a insistir no uso de abordagens e idéias com as quais estamos habituados, mas que não funcionam com o problema a resolver. Isto acontece, principalmente, por duas razões. A primeira é a nossa resistência em abandonar soluções e abordagens que funcionaram no passado, a armadilha da experiência. A segunda está ligada à maneira como interpretamos e lidamos com os dados e informações sobre o problema, a armadilha das percepções.

Em sua maioria, os erros de pensamento são inadequações de percepção e não erros de lógica – Edward De Bono, Criatividade Levada a Sério.

O que fazer? Mudar de direção. Se o caminho que você escolheu não o leva a lugar nenhum, mude de caminho, cave outro poço em outro lugar.

A esta mudança de perspectiva e de procura de enfoques não usuais, Edward De Bono chama de Pensamento Lateral (Lateral Thinking). O Pensamento Lateral pode ser definido como uma heurística para solução de problemas, em que você tenta olhar o problema de vários ângulos, ao invés de atacá-lo de frente. É o uso de um processo não linear de raciocínio, para checar suposições, mudar perspectivas e gerar novas idéias.

De Bono usa uma história para ilustrar o conceito de Pensamento Lateral. Um comerciante que deve dinheiro a um agiota concorda em resolver o débito com base na escolha de duas pedras, uma branca e outra preta, colocadas numa sacola. Se sua filha tirar a pedra branca, sua dívida será perdoada. Se tirar a pedra preta ela deverá se casar com o agiota. A moça percebe que o agiota coloca duas pedras pretas na sacola, mas fica calada. Chegada a hora do sorteio, ela tira uma das pedras da sacola e a deixa cair no pátio cheio de outras pedras. Ela então diz que a pedra que ela tirou deve ser da cor contrária a da pedra que restou na sacola. O agiota, para não passar por desonesto, concorda e a dívida é perdoada.

O Pensamento Lateral equivale a cavar poços em outros locais, ao invés de cavar mais fundo. Abandonar o poço e cavar em outro lugar equivale a uma ruptura com o modelo de pensamento a que estamos habituados.

Há várias ferramentas de criatividade baseadas no conceito de Pensamento Lateral e que nos ajudam a olhar o problema sob novas perspectivas, como o Questionamento de Suposições, Outros Pontos de Vista, Leque Conceitual e SCAMPER.

Livros Criatividade

Artigos relacionados:

O processo criativo

Bloqueios à criatividade

Ferramentas de criatividade

Preconceitos: como exterminar idéias no berço

Criatividade: Procure pela segunda resposta

Para uma lista completa, consulte Índice de Artigos

Escreva seu comentário

{ 11 comentários… leia-os abaixo ou escreva o seu }

arthur norton zwetsch novembro 17, 2013 às 23:27

MAGNÍFICAS AS ABORDAGENS .

Responder

Viviani maio 2, 2013 às 14:53

Muito claro. Gostei.

Responder

simone belquis março 17, 2013 às 21:54

Olá

Achei fantástica a comparação. Ainda mais nesse momento de minha vida, onde acabo de perceber que posso mudar meus paradigmas.

Responder

Carlos Alberto Sales agosto 19, 2012 às 21:07

Estou criando um grupo no bairro onde moro para discutirmos assuntos pertinentes ao pensamento lateral, estudo e continuo aprimorando tudo sobre a Revolução Positiva do Sr. Edward.

Se precisarem de algo, estou a disposição.

Parabéns a todos !

Responder

Jairo Siqueira agosto 19, 2012 às 21:55

Carlos Alberto, desejo-lhe todo sucesso na iniciativa. Gostaria de receber noticias sobre as dicussões de seu grupo. Abraços.
Jairo Siqueira

Responder

edivaldo silva lopes abril 16, 2012 às 23:57

olá tudo bem, sou Edivaldo estou montando alguns slides para uma apresentação de um seminário na faculdade cujo tema é “criatividade”, estive olhando seus artigos referente ao assunto e me interessei por alguns temas que foram abordados. Gostaria de solicitar a sua permissão para tais fins, onde irei usar alguns de seus artigos ou ideias assim publicadas, e terei a imensa honra de divulgar ou ampliar o crescimento de suas obras.
Caso me permita, responda ao meu e-mail com o “ok” de confirmação ok?
grato

Responder

Jairo Siqueira abril 18, 2012 às 06:40

Edivaldo, ok e obrigado pela divulgação.

Responder

roberta novembro 11, 2011 às 01:03

olá, sou estudante de design gráfico e me debati com uma frase no meu primeiro período que um professor mestre disse: “Nada se cria, tudo se copia”, no inicio isso me incomodou e nas minhas buscas para uma resposta inteligente sobre isso eu achei um artigo seu >>passadíssimo..me foi de grande valia, e entreguei o texto a ele..foi uma discursão, mas creio que ele não diria essa frase novamente, então porque design, justamente nós que temos a obrigação de exercitar nossa criatividade não é mesmo? obrigado pelos artigos.

Responder

Jairo Siqueira novembro 11, 2011 às 07:13

Roberta, concordo plenamente com você. Esta frase é a negação de tudo que acontece a nossa volta, coisas novas surgem a todo momento, num incessante movimento de criatividade e inovação, seja pela criação de coisas novas, seja pelas combinações originais e inusitadas de coisas já existentes. Obrigado pela sua participação.

Responder

Carol junho 13, 2011 às 01:13

Jairo

Parabéns! Adorei o artigo.

Se me permiti, inclui o link do artigo com algumas filosofias sobre o tema no meu blog.

Grande Abraço

Responder

Jairo Siqueira junho 13, 2011 às 09:08

Carol, obrigado pelo link em seu blog e pela divulgação do artigo.
Abraços
Jairo

Responder

Artigo anterior:

Artigo seguinte: