Preconceitos: Como exterminar ideias no berço

por Jairo Siqueira · 4 comentários

em Criatividade

No artigo Pensamento Lateral: como se libertar dos bloqueios mentais mencionei as armadilhas das percepções e da experiência, ou seja, como estes dois fatores condicionam a nossa interpretação da realidade e limitam as conclusões do processo de análise e solução de problemas. O gráfico a seguir apresenta de forma simplificada o processo de compreensão humana, mostrando a ação das percepções e da experiência sobre o nosso raciocínio e entendimento da realidade.

Processo de copreensão

Basicamente, nosso processo de raciocínio (Passo 3) sintetiza nossas percepções (Passo 2) da realidade (Passo 1) no contexto de nossas necessidades emocionais básicas (Passo 3A) e de nossos valores e princípios (Passo 3B) a fim de tirar conclusões (Passo 4) a respeito da situação.

O que isto significa? Significa que, por mais que nos esforcemos, nós não conseguimos ser inteiramente racionais e objetivos. Nas nossas análises e conclusões estaremos sempre influenciados pelas nossas experiências, emoções, interesses, crenças, valores, etc. Isto é natural e humano, o que se faz necessário é a consciência destas influências sobre nosso pensamento e nosso julgamento, e como elas criam bloqueios à criatividade e à aceitação de ideias inovadoras.

Um exemplo tirado da história de medicina ilustra bem o efeito das percepções e dos conceitos dominantes sobre o nosso pensamento e os bloqueios que eles geram.

Como os preconceitos matam as boas ideias

Até meados do século 19 era comum um médico passar de um paciente para outro, ou mesmo da autópsia de um cadáver para exame de uma pessoa viva, sem lavar suas mãos. O médico húngaro Ignaz Semmelweis (1818 a 1865), que trabalhava com um grupo de parteiras numa das clínicas do Hospital Geral de Viena, notou a grande diferença da taxa de mortalidade entre as parturientes de sua clínica e as parturientes da clínica que era atendida pelos médicos professores da universidade a que o hospital estava ligado. A taxa de mortalidade devida à febre puerperal na clínica dos professores era de 13,1%, enquanto na sua clínica era de 2,03%. Ambas as clínicas funcionavam no mesmo hospital e usavam as mesmas técnicas. A única diferença eram as pessoas que trabalhavam nelas, numa professores e estudantes, na outra médicos e parteiras.

Semmelweis concluiu que a febre puerperal era causada por “partículas” dos cadáveres introduzidas nas parturientes através das mãos dos professores e estudantes. Na época a teoria dos germes ainda não havia sido desenvolvida, mas Semmelweis intuiu que a infecção era causada por alguma coisa que passava dos cadáveres para as parturientes. Ele realizou um cuidadoso estudo estatístico comparando a mortalidade das duas clínicas e conclui com a recomendação de que os médicos sempre lavassem suas mãos antes de atenderem um paciente.

Apesar de todas as evidências, as reações contrárias foram muito fortes e as recomendações de Semmelweis foram ignoradas. Suas conclusões contrariavam a teoria médica dominante que atribua as doenças ao desbalanceamento dos quatro fluídos corporais (humores): sangue, bile negra, bile amarela e fleuma. Alguns médicos alegaram que suas conclusões careciam de base científica, não passando de pura superstição: mortos espalhando a morte entre seres vivos. Outros julgavam muito trabalhoso lavar as mãos antes de atenderem cada paciente. Aceitar as recomendações de Semmelweis era admitir de que vinham sendo a causa de tantas mortes. Em alguns hospitais, a mortalidade entre as parturientes chegava a 35%.

Em 1851, Semmelweis retornou para a Hungria, onde, a partir de 1857, suas ideias foram adotadas, resultando em notável redução da mortalidade entre as parturientes. Em Viena, na clínica onde Semmelweis tinha praticamente erradicado as mortes por febre puerperal, a taxa de mortalidade chegou a 35% no verão de 1860. Mesmo assim, a adoção de suas recomendações foi muito lenta.

Como você reage às novas ideias?

Este caso é um exemplo terrível de uma situação em que, apesar de todas as evidências objetivas, o progresso científico foi barrado pela inércia dos profissionais detentores do “saber” dominante. O termo Reflexo Semmelweis, atribuído a Robert Anton Wilson, significa a rejeição ou negação imediata e automática de qualquer informação, sem análise, inspeção ou experimento.

Como evitar o Reflexo Semmelweis, uma tendência muito comum quando nos apresentam ideias que desafiam o saber convencional e nossa maneira usual de fazer as coisas? Este será o assunto de outro artigo. Por enquanto, meu conselho é o seguinte:

Silencio

Livros Criatividade

Artigos relacionados:

Criatividade e intuição

Pensamento lateral: como se libertar dos bloqueios mentais

Como selecionar suas melhores idéias

Como líderes inovadores tratam as idéias criativas

Para inovar, questione as regras sagradas

Para uma lista completa, consulte Índice de Artigos

Escreva seu comentário

{ 4 comentários… leia-os abaixo ou escreva o seu }

Fernando Jacks julho 26, 2008 às 20:35

Como é comum existir essa situação no dia-a-dia. Acredito que o ser humano deve ser treinado desde a infância para respeitar as idéias do próximo.

Parabéns pelo site. Excelentes conteúdos.
Fernando Jacks

Responder

Antônio Fontoura agosto 8, 2007 às 15:23

Adorei o seu site. Sou professor universitário e leciono uma disciplina relacionada à criatividade. Vou recomendar o seu site aos meus alunos. Parabéns pelo trabalho.
Antônio

Responder

Luiz Roza junho 25, 2007 às 21:51

Excelente reflexão para revermos velhos conceitos que acreditamos serem imutáveis.

Responder

Mauro Cardozo junho 25, 2007 às 08:26

Boa reflexão para exercitarmos a forma de não matar uma idéia no berço.

Responder

Artigo anterior:

Artigo seguinte: