Como líderes inovadores tratam as ideias criativas

por Jairo Siqueira · 22 comentários

em Criatividade, Inovação, Liderança, Motivação, Técnicas e Ferramentas

Ideas perdidasVocê já deve ter presenciado esta cena várias vezes: alguém apresenta uma nova ideia, cheio de entusiasmo, e as cabeças começam a balançar negativamente, murmurando “Não! Não! Não!”. Mais uma ideia é liquidada, sem maiores preocupações em examinar seus méritos. Ela é simplesmente fuzilada por causa de um aspecto que a torna impraticável na opinião dos avaliadores. Nenhuma tentativa é feita para trabalhar a ideia, explorar seus pontos positivos e neutralizar seus pontos negativos.

Esta é uma situação muito comum em todas as organizações; diariamente milhares de ideias são jogadas fora sem a consideração de suas possibilidades. O aspecto mais trágico desta atitude é que ela acaba por inibir as cabeças pensantes da empresa. Para cada ideia criativa descartada, há um criador de ideias imaginando se vai se arriscar a oferecer outras.

Em situações semelhantes, você pode agir como um coveiro ou como um jardineiro. O coveiro trata de enterrar a nova ideia o mais fundo possível, de forma que ela não volte a incomodá-lo. O coveiro de ideias tem o hábito de examiná-las com base na sua viabilidade imediata e descartar todas as que apresentem qualquer indício de dificuldades na sua adoção.

O jardineiro sabe que a semente de toda inovação é uma ideia altamente especulativa, e inacabada, que precisa ser trabalhada par se tornar viável e prática. Pela sua própria natureza, quanto mais ambiciosa a ideia, mais frágil ela se apresentará, mais falhas terão que ser corrigidas. É importante reconhecer que na medida em que você afasta os obstáculos, isto é, constrói a viabilidade da ideia, você está modificando-a, ou mesmo transformando-a. O resultado final pode ser bem diferente da idéia original. Isto é a verdadeira natureza do desenvolvimento de ideias. Não há nada de errado neste processo, desde que o produto final seja reconhecido como valioso, útil e viável. Neste caso, o valor da ideia original está no seu papel de gatilho do processo de inovação.

A beleza desta abordagem é que ela permite que você comece com uma ideia muito nova e fresca e não se deixe cegar pelos seus inevitáveis defeitos. Como você tem os meios de construir sua viabilidade de forma sistemática, há mais liberdade em usar sua imaginação para melhorá-la ou mesmo transformá-la. Neste processo de desenvolvimento de ideias, o jardineiro percorre uma trilha de cinco etapas.

Avaliação e desenvolvimento de ideias com mente aberta

Etapa 1: Diga simplesmente “talvez”

Segure o primeiro impulso de dizer “não”. A negativa corta todo um mundo de possibilidades. Nesta etapa você deve dizer a si mesmo que, dada à nova ideia uma atenção construtiva, ela pode mostrar seus méritos e se tornar muito valiosa.

Etapa 2: Encontre os positivos

Articule aqueles aspectos e características da ideia que são positivos, mesmo que você não a aprove na sua totalidade. Tente ser específico sobre os pontos positivos. Esta é uma etapa importante, pois estabelece uma atitude mental diferente da atitude típica da resposta “aqui está o que esta ideia tem de errado”. Esta atitude construtiva cria uma chance da nova ideia viver um pouco mais e revelar um surpreendente número de características positivas que, de outro modo, não seriam percebidas.

Etapa 3: Identifique os problemas a solucionar

Considere que os aspectos negativos são obstáculos a serem superados, e não razões para descartar a nova ideia. Tenha em mente que, na vida de uma nova ideia, este é o momento mais vulnerável e uma abordagem negativa certamente a matará prematuramente. Não se trata de negligenciar os aspectos negativos associados à ideia, mas sim de mantê-la viva pela clara identificação de medidas a serem tomadas para neutralizar estes aspectos negativos. Por exemplo:

“É muito caro. Não podemos fazer isto dentro do nosso orçamento”.

Torna-se em:

“Vamos ver se podemos fazê-lo a um custo menor”.

Todas as duas declarações tocam a questão dos custos. A primeira fecha as portas, a segunda a deixa aberta e convida os solucionadores de problemas a continuar seu trabalho.

Etapa 4: Gere ideias para remover os obstáculos

Concentre-se primeiro no problema mais difícil e gere idéias específicas para removê-lo. Comece pelo obstáculo mais desafiador, pois, com muita frequência, os outros são derivados deste problema maior; resolvendo o maior, você estará resolvendo os outros também. Continue removendo os obstáculos remanescentes, até que você tenha desenvolvido um conceito que possa ser considerado viável e valioso.

Etapa 5: Crie um plano de ação

Articule ao novo conceito que você desenvolveu, certificando-se de ele inclui todos os elementos que você incorporou para torná-lo viável e acionável. Liste as medidas necessárias para realizar a implementação.

Com estes simples cinco passos, você não só resolveu um problema crônico. O mais importante é que você deixou claro para sua equipe que valoriza suas contribuições e sabe como tratar suas ideias de forma construtiva. É através de gestos concretos como este que a empresa se mostra verdadeiramente receptiva às pessoas criativas e as estimula a continuar pensando.

Livros Criatividade

Artigos relacionados:

Bloqueios à criatividade

Existe algo pior para a criatividade do que um gerente pessimista?

Criatividade e motivação

Preconceitos: como exterminar idéias no berço

Como selecionar suas melhores idéias

Para uma lista completa, consulte Índice de Artigos

Escreva seu comentário

{ 22 comentários… leia-os abaixo ou escreva o seu }

Márcio Silva de Araújo Fevereiro 6, 2016 às 19:42

Interpretação perfeita, gostei e fico feliz de ver que sua ajuda é feita de forma gratuita. Pois é bem eficiente. Informação sobre assuntos específicos que em outros casos, com esses mesmos assuntos, a sites com empresas fazendo cobranças para falar de assuntos similares. Obrigado, fiquei realmente Grato!

Responder

Jairo Siqueira Fevereiro 9, 2016 às 17:04

Márcio, obrigado pelo seu comentário. Volte sempre.

Responder

João Carlos Maio 27, 2015 às 10:44

gostei muitos dos artigos. muito esclarecedor.

Responder

João Carlos Maio 27, 2015 às 10:47

corrigindo:“muito´´

Responder

Veronice Maio 14, 2013 às 18:35

Adorei os artigos aqui apresentados e gostaria de continuar tendo contato com outros de igual ou afim natureza. Parabéns! a criatividade tratada dessa forma, se torna um instrumento eficaz na solução de problemas, dando novo estímulo á mudanças em quaisquer que sejam os ambientes ou funções!

Responder

Jairo Siqueira Maio 16, 2013 às 22:11

Veronice, que bom que tenha gostado dos artigos. Para ser informada de novos artigos basta se inscrever no blog. Veja ao fianl de cada artigo o box para informar seu email. É simples e seguro.

Responder

Rosa Abril 18, 2010 às 22:35

Gostei muito do seu artigo.

Aproveito a oportunidade para pedir sua opnião.

Quando o autor de uma idéia a desenvolve, implanta e melhora o desenvolvimento do trabalho.Colocar seu nome no projeto e divulga-lo é algo natural do processo ou vaidade?

Qual sua opnião sobre “nós fizemos isso……” qdo a situação sempre esteve presente e nínguem fez nada para melhora-lá. Ai vc chega e o seu projeto passa a ser da equipe, que não desenvolveu nada só está executando. Qual é o reconhecimento que o autor da idéia tem? Essa falta de reconhecimento (não estou falando de dinheiro)pode contribuir para a morte de novas idéias……. Acredito que sim, pois é muito desistímulante.

Responder

Jairo Siqueira Abril 18, 2010 às 23:21

Rosa,

Colocar o nome no projeto é uma coisa natural. No entanto, você deve observar a política de sua empresa quanto a autoria de projetos. Realmente, a falta de reconhecimento é uma piores coisas para desmotivar a criatividade. Possso afirmar que, sem dúvida, o reconhecimento, monetário ou não, é o fator chave par o engajamento das pessoas e criação de um ambiente inovador.

Responder

André Schalitt julho 4, 2009 às 17:03

Prezado Jairo.

Achei ótimo seu artigo. Aprendi muito.

André Schalitt.

Responder

Guntter Morgades junho 21, 2009 às 14:33

Brilhante Jairo,

Este seu artigo é uma aula de brainstorm!
Muito importante reconhecer a didática e entender que nem toda idéia é digna de ser veiculada.

Tu está de parabéns, voltarei sempre!!
Abraço,
Guntter Morgades

Responder

Jairo Siqueira junho 21, 2009 às 15:14

Caro Guntter,

Você será sempre muito bem vindo. Abraços
Jairo

Responder

Marcinaldo Maio 17, 2009 às 22:16

Isso me deixou muito mais motivado, com criatividade se vence a crise, crise é para os incompetentes.Pense positivo sua vida vai mudar
Marcinaldo Santos
parintins Am
terra do boi garantido e caprichoso

Responder

Thiago Abril 10, 2009 às 19:47

Dicas de motivação,excelente.

Responder

Rogério de Bortoli Março 13, 2009 às 15:02

Fico grato pelas dinámicas expostas neste seus artígos,eles so nos fortaleçem cada vez mais.Obrigado.

Responder

yasmin agosto 4, 2008 às 11:38

Eu axeii muito LegaL !!

BjoO!! ♥

Responder

KEILTON FERNANDO - SE julho 30, 2008 às 11:00

Muito bom seus comentários, estava precisando dessas palavras. Acabo de lançar uma idéia criativa na empresa que trabalho e os seus artigos são ótimos e vão me ajudar e alavancar outras idéias.

Parabéns,

Keilton Fernando – SE

Responder

Sandra Mônica Winkelmann novembro 18, 2007 às 23:24

JAIRO: MAIS PESSOAS DEVERIAM TER A POSSIBILIDADE DE ACESSO AOS SEUS ARTIGOS.

PARABÉNS,

SANDRA MÔNICA

Responder

Jairo Siqueira outubro 18, 2007 às 21:18

Sara,

Você tem sido muito gentil e encorajadora nos comentários sobre meus artigos, muito obrigado. Sempre adorei aprender e cheguei a conclusão que uma das melhores maneiras de aprender é ensinar. O processo de comunicar o conhecimento nos obriga a organizá-lo, a refletir e a descobrir conexões que normalmente nos passam desapercebidas.

Responder

Drª Sara José Chamat outubro 18, 2007 às 20:33

Penso que com tanto material que elaboro para os meus cursos, não falo sobre eles na Internet.
Na minha opinião o elemento mais estimulador para o desenvolvimento da criança sobre vários aspectos é a relação “Ser que Ensina e Ser que Aprende”. Inclusive, tenho um livro publicado na Editora Vetor/SP, sob o enfoque Psicopedagógico. Tenho testes nesta área e terminei Ansiedade e fobia Social, assim como o de Hipnose Ericksoniana.
Mas, adoro a educação, estou planejando elaborar um material de estimulação, a partir dessas maravilhosas teorias que publicam. Estes textos são fenomenais e sõ frutos de uma mente privilegiada.
Drª Leila Sara
Drª Leila Sara

Responder

Carmem Osterno junho 13, 2007 às 11:56

Oi amigo, bom dia!

Mais uma excelente materia para ampliar a nossa visão gerencial.
Estou com saudades do grupo do IBQN, espero reencontrá-los em breve.
Um abraço,
Carmem Osterno

Responder

Charles Leitao Ramos junho 8, 2007 às 21:51

Amigo Jairo

Excelente matéria ! Parabens mais uma vez por nos proporcionar mais este aprendizado

Sucesso !

Responder

Rosemar Prota junho 8, 2007 às 14:31

Olá Jairo. Muito bom o artigo. Inseri o feed em meu blog http://www.rprota151.blogspot.com

Forte Abraço

Rosemar Prota.

Responder

Artigo anterior:

Artigo seguinte: